Quinta, 28 de Janeiro de 2021
71 99238-9495
Missões Perseguição

Refugiados, cristãos chineses têm dificuldade em conseguir asilo em países democráticos

Igreja do Deus Todo-Poderoso é a denominação com maior quantidade de membros fora da China.

17/12/2020 08h51
43
Por: Carlos Sobrinho Fonte: Com informações do Bitter Winter
Refugiados da Igreja do Deus Todo-Poderoso. (Foto: Reprodução / Bitter Winter)
Refugiados da Igreja do Deus Todo-Poderoso. (Foto: Reprodução / Bitter Winter)

Os cristãos que fogem da perseguição religiosa na China lutam por asilo nos países democráticos em que chegam.

Devido à pandemia Covid-19 a fuga da China e a entrada em países democráticos ficou mais difícil, mas as comissões administrativas e os tribunais continuam a ouvir casos relativos a refugiados chineses.

O maior número de casos de asilo relacionados à religião envolvendo cidadãos chineses refere-se a membros da Igreja do Deus Todo-Poderoso (CAG), um movimento religioso cristão chinês que é atualmente o grupo religioso mais perseguido na China.

O resultado de seus procedimentos de asilo depende em grande parte de quais COI (Informações do País de Origem) sobre a situação da liberdade religiosa na China e o CAG estão disponíveis. E também como são invocadas pelas comissões e tribunais envolvidos.

As primeiras decisões sobre os requerentes de asilo da CAG foram em sua maioria negativas e baseadas em informações incompletas e muitas vezes errôneas sobre a Igreja.

Houve duas razões para isso. Em primeiro lugar, o COI é baseado em estudos acadêmicos ou em fontes jornalísticas. Este último, mesmo quando publicado no Ocidente, refletia principalmente publicações chinesas oficiais que tentavam justificar a perseguição ao CAG.

Estudos acadêmicos sérios sobre o CAG começaram a aparecer depois que a Igreja estabeleceu comunidades em países democráticos, ou seja, a partir de 2015, e se tornaram significativos após 2017, por sua vez, influenciando alguns meios de comunicação de qualidade.

Em segundo lugar, como Bitter Winter aprendeu repetidamente com advogados envolvidos em processos de asilo, as embaixadas e consulados chineses continuam a fornecer às autoridades dos países onde os refugiados chegam informações hostis sobre o CAG.

Notícias falsas

Mesmo quando produzida por agências governamentais, a maioria das informações sobre o CAG pré-2017 eram inadequados e muitas vezes repetidas notícias falsas espalhadas pela propaganda chinesa. A partir de 2017, porém, a situação mudou.

Embora os acadêmicos tenham criticado o COI produzido em 2014 pelo Conselho de Imigração e Refugiados do Canadá, frequentemente citado em decisões europeias, o Conselho Canadense divulgou o COI novo e atualizado em 2019, após consultar os principais acadêmicos ocidentais que escreveram sobre o CAG.

No mesmo ano, o Ministério de Assuntos Internos italiano publicou seu COI (em italiano) sobre o CAG e sua perseguição na China. Um relatório paralelo do COI do mesmo Ministério destacou como os membros do CAG no exterior são mantidos sob vigilância e identificados por meio de reconhecimento facial, para que possam ser presos caso retornem à China.

Finalmente, em 2020, o Ministério das Relações Exteriores da Holanda publicou um novo COI sobre a China, com uma seção substancial sobre o CAG. Em 2019 e 2020, o Departamento de Estado dos Estados Unidos também examinou a perseguição ao CAG em seus relatórios anuais sobre liberdade religiosa.

Embora um crente CAG possa encontrar detalhes incorretos ocasionais quando a teologia CAG é mencionada, estes documentos de 2019 e 2020 são baseados em um esforço sério e louvável para lidar com a literatura acadêmica sobre CAG agora disponível. Com base nessas COI, deveria ser possível aos refugiados do CAG serem reconhecidos como membros de uma minoria perseguida, cujo “medo de perseguição” razoável e justificado caso retornassem à China lhes conferisse o direito a asilo em países democráticos.

Medo

Algumas decisões reconhecem que não há liberdade religiosa na China e que o CAG é perseguido, mas consideram a história individual do solicitante de asilo do CAG como não acreditável. Refugiados que chegam a um novo país podem às vezes ficar com medo e confusos, e não são capazes de relatar claramente suas histórias. Acontece também que os tradutores oficiais fornecidos pelas comissões podem não oferecer a alta qualidade de tradução que seria necessária em casos tão delicados.

As comissões devem olhar para o quadro mais amplo, em vez de procurar contradições em detalhes menores. Visto que, como confirma o mais recente COI, ser membro do CAG é suficiente para ser detido e encarcerado na China, uma vez comprovado o fato de um solicitante de asilo pertencer ao CAG, o “medo de perseguição” deve ser considerado provado também.

Existem, no entanto, decisões que não reconhecem a existência de uma perseguição religiosa na China ou que o CAG seja perseguido. Alguns parecem confiar mais nas informações divulgadas pelas embaixadas chinesas do que no COI de seus próprios governos (na Itália, uma decisão continuou a citar um COI desatualizado da Universidade de Roma, enquanto outros do Ministério de Assuntos Internos estão disponíveis).

Em casos raros, COIs governamentais e estudos acadêmicos são rejeitados como provenientes de fontes "hostis à China" - o que, claro, desqualificaria quase todos os acadêmicos e organismos internacionais de direitos humanos que lidaram com a China, pois concluíram unanimemente que os direitos humanos não são respeitados há.

Acredita-se na propaganda chinesa afirmando que a liberdade religiosa prevalece no país, junto com as notícias falsas sobre o CAG, e isso apesar do fato de que o COI recente produzido pelos governos conta uma história diferente.

Aqueles que mandam de volta para a China os cristãos da CAG requerentes de asilo devem saber que eles estão mandando-os para a prisão, ou pior.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias